Menu

11 agosto 2012

Blogar pra quê, né?



Esses dias eu andava perambulando pelos blogs da vida meio à toa, meio entediada quando me deparei com uma cena muito peculiar, e que no entanto, já tenho visto tantas vezes que tem me cansado.

Sim, não sou nenhuma espécie de crítica, nem estou querendo gongar ninguém por aqui, mas... Certas coisas não há como deixar passar.

Os blogs de hoje estão meio saturados. Muitos, com o mesmo estilo, se brincar o mesmo design, falando sobre as mesmas coisas e pior ainda, mostrando a mesma postura artificial. Isso realmente, realmente me cansa. Não estou dizendo que você não deve fazer o que gosta e ter o blog que gosta. Muito bem, fia, se você ama rosa, vá lá e se cubra de purpurina rosada; se você ama loucamente posar de todo jeito pra mostrar o seu look novo, continue com o seu hobby. Mas não me venha forçar a barra se dizendo que é expert em tendências, que todo visual sempre ficará melhor com a sua bolsa de grife e por fim, não venha me iludir me fazendo acreditar que eu só serei digna se comprar aquele rímel novo super caro.
Isso é meio triste... Sinto que certas blogueiras estão forçando a barra demais ultimamente. Apresentam as suas famosas dicasprasamigas, mas tem a página inteira vendida pra publicidade e fazem um jabá ridículo na maior cara de pau e sem nenhuma honestidade; falam que amam e adoram as leitoras, mas não suportam ouvir uma crítica, sequer que alguém discorde delas. Não é um pouco injusto com alguém que está te dando audiência, e que está aumentando seu número de visitas?

Depois de muito rodar por esses blogs eu acabei chegando a uma conclusão meio ácida: blogar hoje, além de profissão, virou um meio fácil e barato de se conseguir status, de se tornar celebridade. Não que eu ache que blogueira é algum tipo de celebridade, mas elas pensam um pouco diferente de mim, obviamente. Penso que quem quer ser gerador de opinião, antes de tudo, tem que ter originalidade. Hoje a grande maioria dos blogs de moda (e blogs literários também!) são cópias descaradas uns dos outros. Surgiu uma marca de batom nova? Estão lá todas falando do mesmo assunto. Um livro novo foi publicado? Nem fico na dúvida de qual resenha ler primeiro, já que são todas idênticas. Já vi muita gente discutindo isso blogosfera afora, e sinceramente, concordo e discordo de muitas coisas. Até já fiquei meio ressentida, meio frustrada, e pensando em largar mão de tudo. Mas não foi inspirada nessas coisas que eu criei o Baguncinhas, com certeza não.

O Baguncinhas não é um blog que nasceu com o intuito único de agradar as outras pessoas. Ele parte da ideia primitiva do que é ser um blog: publicar coisas das quais se gosta, das quais se tem interesse em falar, algumas vezes assuntos bacanas e interessantes, outras vezes, apenas bobagem para gerar divertimento. E por meio disso, encontrar pessoas que se identifiquem com ele de verdade. Mas mesmo com essa "teoria de vida", o Baguncinhas acaba por entrar nessa redoma louca que está virando a blogosfera atual, perdendo o eixo e tendo que se sacrificar de alguma forma para poder continuar existindo (meio deprê isso, mas é verdade, rs).


Embora eu não tenha muito tempo, paciência e quem sabe até muito cacife (não estou falando de dinheiro) para publicar aqui com frequência e sempre postar as últimas novidades, procuro ser honesta com meu leitor, e fazer um trabalho digno. Porque sinceramente, acho que caprichar no português e ter certeza do que está falando são coisas obrigatórias para qualquer blogueiro (a). Mas não é assim que uma boa parcela pensa, não é? O que mais vemos por aí são posts mal feitos, sem nenhum tipo de coerência ou mesmo correção ortográfica, e simplesmente moldados para dar mais e mais visibilidade para a blogueira em questão (falo no feminino, porque a grande maioria são mulheres) de uma forma absolutamente banal. E sabe por que isso me revolta? Porque acabamos por tomar pessoas como essas como influências e exemplos, seja de moda, beleza, cultura, ou qualquer outra coisa. Alguém que não se importa em mentir e menosprezar o leitor, alguém que está se fazendo as custas de gente ingênua para ganhar fama.


Os blogs sobrevivem de leitores, então penso eu, que eles deveriam de certa forma, no mínimo satisfazer essas pessoas. Impor, julgar, enganar são atitudes de gente medíocre que tem medo de expor sua verdadeira face. De que adianta ganhar rios de dinheiro com publicidade se você não gera nenhuma confiança em seus leitores? De que vale ter todas as grifes à tira colo, fazer viagens incríveis e posar para fotos com todo seu equipamento de 'muóda' se conteúdo e profissionalismo é o que realmente lhe falta? Bem, talvez eu esteja fazendo muito drama por aqui, mas é que eu tenho um conceito um pouco diferente, quem sabe até, meio alternativo. Sempre curti ir contra a maré e fazer aquelas coisas que ninguém mais faz, gostar das coisas que ninguém mais gosta. E é nisso que tento basear o Baguncinhas.


Não estou aqui para criticar ou denegrir a imagem de ninguém, meu intuito não é ofender. Também não estou me baseando naqueles blogs que levam a vida procurando os erros dos outros, que querem rir diante da desgraça e futilidade alheia, até porque acho que todo mundo tem direito a cometer erros, ninguém nasce sabendo de tudo, ou sendo expert em tudo. Esse post é um puro e sincero desabafo sobre a minha visão desse mundinho colorido, tão requisitado e supérfluo de blogs atual; algo que me desagrada, me desmotiva e
muitas vezes, faz eu me sentir lesada como leitora. Isso não quer dizer que eu não admire certos blogs, que eu não os visite assiduamente e goste de seu conteúdo. Pelo contrário, tem muita coisa bacana por aí esperando para ser vista.

Mas ando bem cansada dessas enrolações, da falta de honestidade e simpatia sincera e convidativa com o leitor. Porque se você não consegue nem ter a decência de ser digno com àqueles que curtem seu trabalho e de uma forma ou outra acabam gerando renda pra você, qual é o intuito do blog, então? A cada post que faço eu fico me perguntando qual a verdadeira intenção do meu blog e que mensagem ele quer passar, e se não for algo que eu realmente me identifique e que eu acredite que terá uma boa impressão, eu simplesmente não o publico. Se não é algo sincero e compatível com a realidade, blogar pra quê, né?

E é isso. Chega de post longo por hoje.

Xero!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...