Menu

16 maio 2013

Losing It, por Cora Carmack

Depois da explosão que Belo Desastre causou no âmbito literário com sua pegada mais forte e mais crua, uma variedade de outros títulos surgiram em seguida, acumulando milhares de fãs e reforçando como nunca o pouco conhecido até então, gênero New Adult.

New Adult foi um termo classificado para selecionar algumas obras que não se encaixavam exatamente com as temáticas juvenis e de YA Books, como também não entravam inteiramente na categoria de livros adultos. Sendo assim essa nova categoria foi se ampliando e ganhando muitos fãs. Gosto muito da definição da Pah, do blog Livros e Fuxicos:

New Adult’ é uma terminologia proposta pela primeira vez em 2009 pela editora St. Martin's Press, que a utilizou para definir uma nova categoria de ficção para jovens adultos. O interesse da editora era abordar o período da ‘maior idade’, buscando histórias sobre jovens que são legalmente adultos, mas que ainda estão encontrando seu caminho na construção de uma vida adulta, ou seja, que procuram descobrir o real significado de ser um adulto.
Nas palavras de JJ em St. Martin, "New Adult é sobre a idade jovem-adulta, quando você é um adulto, mas não estabeleceu a sua vida como um (carreira, família, tudo o que você tem, etc.)."

E foi com essa euforia de amor à primeira vista que catei outros títulos do gênero para ler, e o primeiro pós-Belo Desastre (pra quem não viu tem resenha aqui) foi um badalado da Cora Carmack que fala sobre virgindade. Isso mesmo. O nome é Losing It, e a editora Novo Conceito já adquiriu os direitos para comercialização aqui no Brasil

Virgindade. Bliss Edwards está prestes a se formar na faculdade e ainda tem a dela. Louca por ser a única virgem entre seus amigos, ela decide que a melhor maneira de lidar com o problema é perdê-la o mais rápido e de forma mais simples possível - em um caso de uma noite. Mas seu plano acaba por não ser nada simples quando ela enlouquece e deixa um cara lindo, sozinho e nu em sua cama com uma desculpa que ninguém com a metade de um cérebro acreditaria. E, como se se isso não fosse bastante embaraçoso, quando ela chega para sua primeira aula no último semestre da faculdade, ela reconhece seu novo professor de teatro. Ela o havia deixado nu em sua cama cerca de 8 horas antes.





Outras Capas:




Losing It se propõe a contar a história de uma garota de vinte anos que está deixando a faculdade e é totalmente paranoica por ainda ser virgem. A narrativa da escritora Cora Carmack é bem limpa e sem muitas pretensões, mas ela nos leva a um angustiante sentimento de exclusão que cerca a vida da personagem principal. É interessante de acompanhar.

Bliss é apenas uma garota comum que faz Teatro e não vê a hora de seguir seu rumo profissional, mas o fato de permanecer 'intacta' a incomoda mais do que deveria. Ela gostaria de se relacionar com alguém bacana e tirar esse estigma de "ser diferente", mas as coisas não ocorrem como ela espera, e logo sem perceber, ela está em uma boate conhecendo um carinha lindo com sotaque e que tem muita, muita chance de ser o escolhido.

Um sotaque. ELE TEM UM SOTAQUE INGLÊS. Meu Deus, estou morrendo.

Garrické um sujeito tranquilo e está a toa numa boate lendo Shakespeare. Quem em sã consciência vai a uma boate ler Shakespeare? Bem, não vem ao caso quando esse cara tem todas as qualidades necessárias para ser o "cara da primeira vez". E nessa coisa meio incoerente, temos Bliss Garrick se arrastando até uma cama.

“Sexo. Eu ia fazer sexo. Com um cara. Um cara ardente. Um ardente cara BRITÂNICO. Ou talvez eu fosse vomitar. E se eu vomitasse no ardente cara britânico? E se eu vomitasse no ardente cara britânico DURANTE O SEXO?”
A história poderia acabar em maravilhas efusivas se a Bliss não surtasse e saísse correndo com uma desculpa completamente ridícula. E tudo o que ela quer é apagar aquela noite desastrosa de sua mente e não deixar que ninguém descubra sobre o acontecido. O que ela não espera é encontrar esse sujeitinho lindo e loiro novamente na sua sala de aula no dia seguinte. E sendo seu novo professor!

De início, eles são fortes o bastante para negarem a atração e entender que aquele casinho é absurdo e que uma relação que não seja professor/aluna está totalmente fora de cogitação. Mas as coisas sempre podem fugir dos trilhos e a química do casal começa a falar mais alto. É nisso que o livro passa a ser fofo, interessante e instigante. Você realmente vai querer saber o final da saga de Blisscontra a virgindade...

Pela primeira vez, encontrei minha própria vida mais interessante que um personagem em uma página. E Deus, eu queria saber o final.


Outra coisa que vale um ponto: o casal é um completo desastre. Sem trocadilhos com o outro livro citado aqui anteriormente, eles são lindos e fofos juntos, mas são um caos. Tudo dá errado, tudo de inimaginável acontece quando eles decidem deixar as coisas esquentarem. Por um momento achei meio estranho, confuso e viajoso demais, só que com o passar dos capítulos, a leitura vai ficando mais saborosa.


A história da Bliss vai ficando mais perturbada e confusa quando ela descobre que seu melhor amigo Cade é  apaixonado por ela. Rende bons diálogos e você vai ficando triste também por um personagem tão legal quanto ele, sofrer por ser rejeitado no amor. Tadinho... 

A Cora, no entanto, conseguiu fazer da narrativa algo mais suave, tranquilo e delicado para um New Adult. Não há tantos palavrões ou mesmo temática pesada quanto em Belo Desastre, mas tem coisas divertidas e sutis, um romance que é quente sem ser extremamente sensual.

— Como você se sente?
Isso eu podia responder.
— Como uma merda. Tudo dói. Minha garganta é o pior.
Ele estendeu a mão e a colocou na minha coxa. Como se isso fosse normal. Como se nós apenas colocássemos nossas mãos nas coisas um do outro todo o tempo.
— Isso é normal, eu acho —, Ele disse. A coisa da coxa? Não, não... minha garganta. Ele continuou. —Você precisa de algo?
Eu neguei com minha cabeça. Mas que diabos aconteceu enquanto eu estava tão fora de si?


Apesar de eu não ter gostado exatamente da escrita da Cora e não ter achado o livro a maravilha das maravilhas, Losing It é uma leitura que eu indico, porque antes de tudo ele fala de uma garota comum e sua relação consigo mesma. Os livros de Literatura Moderna andam focados em personagens que 'fazem e desfazem', que não sentem medo de arriscar ou mesmo de se envolver com vampiros e lobisomens. O caso da Bliss é bem diferente... Ela está saindo da faculdade, não tem certeza sobre o que quer fazer da vida, nem pra que cidade deve seguir, e ainda por cima tem que lidar com esse estigma que é permanecer virgem. E ela se sente cobrada não por uma necessidade física de mudança, mas simplesmente, por conta de uma pressão da sociedade que irá condenar qualquer moça acima dos vinte que não tenha tido relações sexuais. É interessante observar esse aspecto dessa garota normal que está lutando para se encontrar.

Os próprios receios dela são a parte mais instigante da leitura, uma vez que não é somente a questão do romance que rege o enredo, mas tópicos cruciais como amizade e principalmente, a auto-descoberta.

Por outro lado, o romance em si é bem fofo, e mesmo sendo um texto rápido e fácil, dá pra aproveitar bem do casal. Garrick é o britânico/loiro/professor mais bonitinho e gentil que existe, fato.

Dica de música para aproveitar a leitura? Let It Be Me, do incrível Ray LaMontagne


E pra quem curtiu Losing It ou já ficou com muita vontade de ler, aviso que já tem uma sequência para ser lançada em junho lá nos Estados Unidos. O livro se chamará Faking It e contará a história do Cade. Promete mais aventuras e já tem essa capa linda...


E logo, logo mais New Adult por aqui, garanto. 


Imagens: Reprodução

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...