Menu

10 agosto 2015

EU VI #24: Guerreiro

Fazia um bom tempo que esse filme andava na minha listinha dos "Preciso Ver Urgentemente", mas sempre acontecia algo que me fazia deixá-lo pra depois. Já tinha ouvido falar tanta coisa boa sobre ele, e um filme que tem 8,2 de nota no IMDb precisa mesmo ser levado em consideração. Assim, aproveitei umas horinhas do último fim de semana pra dar uma checada nessa preciosidade embalada por músculos e porradas.


Tommy Conlon (Tom Hardy) é o filho mais novo de Paddy (Nick Nolte) e voltou há pouco tempo para casa. Tommy supera os problemas do pai com bebida e passa a treinar com ele para poder participar de campeonatos de MMA (Mixed Martial Arts), o famoso vale-tudo. Só que sua trajetória faz com que tenha que enfrentar no ringue Brendan Conlon (Joel Edgerton), seu próprio irmão.






Trailer:



O filme parece ser, a princípio, um pacote de testosterona sendo sacudida num ringue e só. Mas depois que você começa a acompanhar as aventuras dramáticas dos personagens, tudo muda, caro leitor. Tu-do mu-da.


A história dos irmãos Conlon é de luta e mesmo fora dos ringues. Brendan Conlon (Joel Edgerton), o irmão mais velho, vive em constante ameaça de perder a casa em que mora com a mulher e a filha e corta um dobrado pra pôr dinheiro em casa, seja como professor de Física, seja nas lutas clandestinas.

Do outro lado, há Tommy (Tom Hardy) que vindo do sofrimento da guerra, procura restaurar sua vida através de uma boa competição de MMA de nível nacional.

Nesse meio, há o pai Paddy (Nick Nolte), um ex-alcoólatra que está tentando manter-se são.


O enredo de Guerreiro tem muita porrada, claro que tem. Mas tem algo mais que nem as cenas parecem ser capazes de mostrar, Há toda uma tensão entre lutas, um preparo emocional e motivacional dos lutadores e principalmente, aquele drama familiar cheio de altos e baixos que a gente fica até roendo a unha em frente à telinha.



Um dos ápices, na minha opinião, é o personagem Tommy. Ele voltou da guerra, é considerado por muitos um herói, e tem toda uma dificuldade de relacionamento que parece torná-lo um bebê gigante. Tive vontade de dar um monte de abraços de urso nele por vários momentos hehehe.


Em contrapartida, o irmão Brendan é aquele homem amadurecido pelas dificuldades da vida, que descobre que a melhor forma de ganhar é mostrar o quanto ele é capaz de apanhar sem cair.


É impressionante ver o amadurecimento dos personagens, a interação que eles tem em prol de restabelecer a ligação familiar e como eles lutam dentro e fora dos ringues para alcançar seus objetivos.


O filme tem toda uma carga de estresse masculino, tem sim, senhor. Mas também tem um toque doce, delicado, tem um monte de emoção borbulhando e mais um monte de perdão a ser dado e recebido. É daqueles filmes que você espera muito pouco no início, mas que com o desenrolar vai levando um susto atrás do outro, vai entrando em comunhão com a história de uma forma que jamais esperaria. Se falar que você começa a enxergar o mundo das lutas por um outro ângulo.


Filme super recomendado. Vale à pena ver todos os incríveis músculos do Tom Hardy saltando na tela e se apaixonar pelo Tommy trocentas vezes. Vale a pipoca e o suco (se você é como eu e não toma refrigerante) e vale à pena sofrer um bocadão com os irmãos Conlon. Se você quer um filme inteligente, instigante e com um excelente elenco, Guerreiro é a pedida.

Outros Pôsteres:



3 comentários:

  1. Respostas
    1. Veja mesmo. aposto que você vai adorar! =D

      Excluir
  2. Amei sua resenha, me deixou com vontade de ver o filme!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...